Chicago Tribune faz avalização da “artRave: The ARTPOP Ball Tour”

admin em 12.7.2014 ás 8:59     4Comentários

A artRave: The ARTPOP Ball Tour tem arrancado bastantes elogios positivos durante sua passagem pelos Estados Unidos. O Chicago Post fez uma rica avaliação sobre o show de ontem a noite e reconheceu o grande talento de Lady Gaga, mostrando a grandiosidade da artRave, escondida em pequenos detalhes. Confira:

Havia freira barbuda e drag queen de salto alto com hot pants. Havia orelhas de coelho, narizes de porco, chapéis de militares e uma dominatrix com meia arrastão e couro. Glitter? Tinha. Tutus? Tinha. Camisas pintadas? Tinha. Pulseiras e colares de pisca-pisca? Mas é claro!

E tudo isso foi antes de Lady Gaga subir no palco na sexta-feira no United Center, o show dentro do show. Os fãs vieram preparados porque muitos sabiam que a pequena heroína em perucas, roupas espaciais e asas de pena é uma deles, e ansiosa para celebrar não apenas a presença deles, mas também suas diferenças.

Ela performou o hino gay “Born This Way” sentada em um piano com um fervor gospel em sua voz. Virando para uma fã ao lado dela no banco do piano, ela disse, “Quando eu olho pra você, eu me vejo” e depois para o público “não há nada de errado em amar quem você é”.

Depois ela transformou “Applause” em um outro espelho refletor. Ao invés de ser uma música sobre seu poder de estrela, ela transformou a audiência no assunto da música. “Celebre você, celebre cada um de nós”, ela insiste enquanto as batidas eletrônicas dançavam com ela.

Em um palco que se assemelhava a uma cidade árctica com ruas pela audiência, Gaga nos deu um set mais conciso do que os das turnês anteriores. O set de 95 minutos, apoiado por uma banda e uma dúzia de dançarinos, animaram as músicas do mais ou menos ARTPOP. “My artpop could be anything,” ela declarou no começo, e fez bem a sua reivindicação enquanto ela embraçava a crua MANiCURE e o electropop gótico do Depeche Mode na faixa título [ARTPOP] e no rock de arena em “Gypsy.” Em “Venus,” ela desviou o ritmo dance em um tipo de refrão crescente que ABBA pode cobiçar.

“Isso não é música pop leve”, Gaga zombou, e de fato, suas melodias ostentavam um som mais underground do que suas colegas do pop que cantam em arenas. Seu senso de moda é menos sobre sexualidade e mais sobre individualidade. Como explicar aquele vestido mutante[polvo]? Sua música pode ser tanto agressiva quanto abrasiva, especialmente quando ela tornou “Swine” em uma entrada tribal ou mostrou o choro feminista em “Donatella” com sintetizadores.

A promessa inicial de Gaga é oferecer uma visão distorcida da postura diva e fazer marketing do seu jeito para vender mais de 20 milhões de álbuns. Ela era a anti-diva que devia muito a David Bowie, Grace Jones e Klaus Nomi enquanto fazia seus antecessores e colegas em arenas pop. Essa promessa não foi cumprida completamente em seus recentes álbuns. Mas seu show tem uma unidade linear que deu ênfase a música, reforçada por todos os figurinos bizarros, ao invés de adereços e efeitos especiais que entupiram suas turnês anteriores. Vocais de apoio estavam presentes, mas sua banda e, mais importante, Gaga não era enlatada. Ela deixou claro para que todos soubessem através de sua respiração pesada claramente audível pelo seu microfone.

Teve um outro momento de transparência, quando ela performou uma completa troca de figurino no centro do palco. Duas pessoas a ajudaram a trocar de roupa, mas a cantora tirou sua própria peruca. Como seus fãs, ela apenas estava sendo ela mesma.

Comentários

  • ~Gaga Irônica ‘^

    ARRASOUUUUUU

  • Ivone

    Gaga simplesmente arrasando sempre. artRAVE the ARTPOP ball tour é um espetáculo
    !!!

  • adryan gypsy

    semmm palavras :’)

  • Niva

    ♥ GAGA ♥