Entrevista de Lady Gaga com Karl Lagerfeld para Harper’s Bazaar

admin em 31.7.2014 ás 2:48     2Comentários

Lady Gaga é a capa da edição de Setembro da Harper’s Bazaar e como parte de sua participação na revista, ela foi entrevista pelo grande estilista Karl Lagerfeld, diretor criativo da Chanel. Na longa conversa que os dois tiveram, comentaram sobre moda, estilo pessoal e é claro, seus animais de estimação. Confira a tradução feita por Max Gomes:

O estilista e a cantora discutem sobre animais de estimação da moda, estilo pessoal e a nova amizade de Lady Gaga com Tony Bennett.

KARL LAGERFELD: Desde que minha Choupette é a gata mais famoso da internet, e sua [Buldogue Francês] Asia é a cadela mais famosa da internet, elas deveriam se encontrar? Asia tem uma empregada particular como Choupette?

LADY GAGA: Elas certamente devem se encontrar! Asia é muito doce e calma. Ela seria muito gentil com Choupette. Ela ainda não tem uma empregada particular, mas eu adoro fazer seus presentinhos e cozinhar comida caseira de filhote para ela.

KL: Choupette fala sem palavras; ela se comunica comigo através de seus olhos. Como Asia se comunica com você?

LG: Asia e eu temos uma ligação muito especial. Ela também fala bastante comigo com seus grandes e lindos olhos. Suas orelhas são especialmente grandes para um Buldogue Francês, e eu posso dizer que ela fica confortável em casa com a mamãe porque suas orelhas ficam pra baixo. Asia também ama carinho na barriga, de todo mundo, e ela deita de barriga pra cima toda hora pedindo carinho.

KL: Choupette é minha musa. Asia é sua inspiração musical?

LG: Asia é minha inspiração para tantas coisas. Ela realmente tem me mostrado a importância de viver o agora. Se eu não fizer, perderei uma olhada preciosa em seu rosto. Ela é um animal muito romântico e amável, e esse tipo de poesia é o que a arte é sobre, eu acho. Interação. Ela ama sentar perto de mim quando eu gravo jazz. Ela nunca late, ou faz barulhos; ela apenas me observa com suas grandes orelhas.

KL: Eu acho que animais são melhores musas que humanos – eles nunca saem de moda. O que você acha de animais?

LG: Eu amo animais. Eles se comunicam conosco inteiramente com amor, algo que deveríamos fazer. Asia e meu amor nunca ficarão fora de moda – é incondicional.

KL: O que você tem gostado? Qual sua próxima viagem fashion?

LG: Recentemente, eu tenho gostado de procurar pelo melhor da moda vintage que eu possa achar. Roupas com histórias, um passado. Tecidos pesados, jóias, véus. Minha ultima viagem é sentir uma conexão com todas as mulheres ao longo da história através da moda. Eu amo vestir roupas sabendo que estou carregando um espirito das antigas fashionistas, e viver um pouco mais de suas fantasias, e as minhas próprias. Eu acredito que roupas carregam a alma do estilista e a pessoa carrega ela para sempre, então eu procuro roupas com almas. Talvez seja algo que apenas eu consiga ver, mas sei que é verdade.

KL: Onde você vê seu olhar evoluindo?

LG: Eu poderia te contar, mas eu teria de matá-lo. Quem sabe? Mas quando eu estou cantando jazz com o Tony Bennett, eu sinto vontade de vestir vestidos feitos para senhoras reais, desligar todas as luzes, e ter você ouvindo apenas minha voz atravessando a escuridão.

KL: Eu me pergunto se você vai acabar ficando extremamente clássica um dia. Você acha que clássico pode ser ousado também?

LG: Bastante.

KL: Eu posso imaginar você cantando “Miss Otis Regrets” com Tony Bennett. Eu amo essa música. Por favor, conte-me sobre seu novo álbum com ele [Cheek to Cheek].

LG: Tony mudou minha vida completamente. Tem sido um tipo de segredo que eu venho cantando jazz desde os 13 anos. Eu era cantora de jazz antes de me tornar cantora de pop. Tony é um cavalheiro. Ele realmente me trata como uma lady. Eu me sinto tão curada com a nossa relação, porque alguns homens foram muito ruins quando eu era mais nova no estúdio. Tony me mostrou como os caras elegantes do old-school eram. Nossas gravações foram lindas, memoráveis. Construímos uma profunda amizade. Há 60 anos entre a gente, mas quando cantamos não há distância. Esse álbum é puro jazz, músicas do Great American Songbook, tocadas por ambos Tony e meus músicos de jazz, e amigos.

Agora eu estou desfrutando a sensação de me sentir como uma lady. Usando vestidos, apaixonada, andando com Asia pelos jardins e cantando jazz com Tony Bennett.

KL: Eu amo “It’s Easy to Remember (and So Hard to Forget)” do Billie Holiday. Na vida, eu sempre digo, a maioria das pessoas são fáceis de se esquecer e difíceis de se lembrar.Você gosta de Billie Holiday? Quais sãos suas inspirações musicais para esse tipo de música?

LG: Eu costumava ouvir Billie Holiday todo domingo com minha mãe, mas eu me apaixonei por Ella Fitzgerald. Ela, para mim, é a cantora de jazz por excelência. Sua história de vida, a dor e a sabedoria, o whiskey em sua voz. Eu me senti conectada com ela porque é esse tipo de mulher, as senhoras exuberantes do swing, que fizeram eu me sentir que, não importa o que aconteça, eu sempre posso transformar uma tragédia em uma ótima performance. Esse é o romance do teatro.

KL: Quanto tempo dura sua turnê mundial? Dará a volta ao mundo em 80 dias?

LG: Sete meses.

KL: Você tem um look diferente planejado para cada cidade? Atrevo-me a dizer, moda pode ser sua vitima.

LG: Eu não tenho meus looks planejados, mas é um ótimo elogio. Obrigada. Eu trago várias peças vintages comigo — jóias, chapéus, bolsas – e eu também tenho muita sorte por ganhar lindos looks de couture ou direto das passarelas pelo mundo inteiro. Eu apenas visto o que me faz sentir bem naquele dia. Agora eu estou desfrutando a sensação de me sentir como uma lady. Usando vestidos, apaixonada, andando com Asia pelos jardins e cantando jazz com Tony Bennett.

KL: Ouvi dizer que você está indo a Dubai pela primeira vez. Eu espero que você goste. Eu amei quando apresentei a coleção da Chanel Dubai lá.

LG: Estou bastante animada em ir para lá, ver meus fãs, dá-los um show de uma vida inteira. E, é claro, explorar os estilistas locais e fazer compras.

KL: Eu diria que você é o ícone fashion mundial que sempre está mudando. Como se sente sendo a escolhida como ícone da Carine Roitfeld e da Bazaar? Você muda o tempo todo, mas, para mim, continua a mesma Gaga. Como você administra isso?

LG: É uma honra você dizer isso, Karl. Você é muito clássico. Clássico pra mim é algo que muda o tempo todo, como uma âncora à deriva. Mesmo mudando o tempo todo, estou sempre pensando em iconografia – que é a repetição de imagens – então eu sempre estou diferente. Estou usando o mesmo look repetidamente, mas eu sou uma expressão diferente da mesma mulher. Quando eu saio de casa, eu carrego a alma das fashionistas que vieram antes de mim; continuo vivendo glamourosamente para celebrá-las. Estou apenas sendo eu.

Comentários

  • Lazaro Verberth

    ASIA ♥

  • Denison Holland

    <3