FORBES: Lady Gaga ainda está ensinando Marketing

admin em 16.7.2014 ás 4:42     3Comentários

A Forbes divulgou hoje uma matéria na qual comentam sobre a qualidade de Lady Gaga em saber usar seus conhecimentos de marketing em sua carreira. O site ainda afirma que muitos empresários podem usar os passos de Gaga para melhorar seus negócios. Confira a tradução:

Lady Gaga pode não estar dominando as manchetes e as rádios como fazia nos ultimos anos, porém ela ainda tem muita inteligência em marketing para os empresários aprenderem.

Lady Gaga apresenta os shows da sua atual turnê “artRave: The Artpop Ball” por sets elaborados, dançarinos loucos e uma série de artimanhas e hinos. Os concertos são espetáculos de sobrecargas sensoriais, apresentações espalhafatosas – e experiências inovadoras. Empresários querendo passar uma incrível impressão pessoal para seu cliente deveriam seguir seus passos.

Lady Gaga troca de figurino pelo menos seis vezes ao longo de um show de duas horas, mostrando um poder de inovação contínua na concepção da experiência. Os novos figurinos revelam seus diferentes lados e mantém as coisas frescas e surpreendentes. Como um membro do público, você fica esperando para saber qual figurino ela irá apresentar a seguir – a espera e a consequente novidade prendem sua atenção. Marcas devem procurar trazer um nível similar de inovação, considerando diversidade, e novidade para a experiência de seus clientes. Ao invés de pensar em sua loja como um negócio estático, considere fazê-lo mais como uma etapa de trabalho. Ao invés de se trancar em um layout de website, logo, imagens visuais e avatars, pense em como renová-los frequentemente o bastante para atrair a atenção das pessoas.

Além disso, Lady Gaga faz sua troca de figurinos no palco. Ver Lady Gaga de topless pode ser tão chocante quanto vê-la com sua cabeça adornada com nada, só com o tampão da peruca. Mas o verdadeiro choque é que ela trouxe algo que é normalmente escondido no backstage e o colocou para nós todos vermos. A cena é estranha e crua, mas também é verdadeira e íntima. Mostrar o que está atrás das cortinas da sua empresa pode ser um risco, mas pode ter um retorno por trazer pessoas mais para perto de você e fazer sua marca parecer mais humana.


Lady Gaga também mostra como tornar as experiências da marca mais pessoal. Durante seus shows, várias pessoas jogam itens no palco, incluindo bichos de pelúcia, posteres, cartas e roupas. Diferentemente de vários artistas que ignoram esses itens até alguém limpar o palco, Lady Gaga os usa para se conectar pessoalmente com os membros do público. Ela veste as roupas e faz poses para fotos; ela olha a carteira para ver quem é o dono e o chama; ela lê cartas em voz alta e comenta o que sentiu. E o mais importante, ela chama algumas pessoas para conhecê-la no backstage depois do show.

Que tal você chamar pelo nome os fãs que saem de seu caminho para se conectarem com você ou divulgarem sua marca? E se você os convidassem para se encontrarem pessoalmente com você? Ou se você tentasse ideias que são jogadas para você e mostrasse o resultado para a pessoa? Pense sobre suas experiências como um diálogo entre você e seus fãs. Ao invés de apenas performar para seus clientes seguindo scripts, considere em como interações pessoais espontâneas podem construir relações valiosas com seus clientes.

Lady Gaga usa poderosamente suas histórias durante seus shows. Ela conta o porquê escreveu o single “Applause”; ela chama uma jovem do público enquanto ela comenta o que acontecia na sua vida enquanto tinha a sua idade. No seu show em San Diego, ela relembra um fim de semana emocionante com seu namorado que aconteceu alguns anos atrás e algumas milhas de distância do local onde aconteceu o show. Artistas performáticos sempre usaram um personagem entre sets para explicar suas músicas, mas a emoção com que Lady Gaga fala e a natureza bem pessoal de suas histórias se destacam como particularmente eficazes. Ela usa suas histórias para expressar seus valores e criar um vínculo com o público.

Empresas, também, podem contar suas histórias para cultivar conexões emocionais. Pense além da história corporativa usual e identifique as que capturem sua singularidade – talvez sobre um acontecimento importante ou um cliente estratégico. E então conte essas histórias de forma dramática e criativa.

Anos atrás, Lady Gaga ensinou a atrair atenção por aparições bem preparadas (por exemplo, sair de um ovo durante o Grammy Awards em 2011) e como desenvolver uma comunidade que se identifica com uma marca como seus Little Monsters. Ela agora está definindo o padrão para fascinação da criação, experiências memoráveis da marca. Algumas pessoas a amam, outras talvez a odeiem, mas todos podem concordar que ela é uma profissional em marketing com muito para ensinar. Vamos aprender.

Tradução: Max Gomes.

Comentários

  • Lucas Marino

    O samba nunca morre

  • Niva

    deusa

  • Não deixe o samba morrer… Não deixa o samba acabar… A gente gosta quando ela samba… Se samba me faz delirar…