Portal “Digital Spy” divulga review positiva para o “Cheek To Cheek”

admin em 25.9.2014 ás 6:01     2Comentários

No mesmo ritmo frenético que o “Cheek To Cheek” esta ganhando admiradores e se espalhando pelo mundo como um viral, as críticas positivas e negativas surgem mais rápido do que se pode ler a anterior, mas todos concordam que essa parceria inusitada entre a lenda do jazz e uma das rainhas da era digital está sendo o assunto do momento.

Confira agora a review completa feita pelo famoso portal britânico “Digital Sky”, que deu 4 de 5 estrelas para o álbum :

 
Quando Lady Gaga se tornou a maior revelação do pop em 2008, foi sua volta à essência e suas interpretações no piano de ‘Poker Face’ e ‘Paparazzi’ que capturaram o carinho do público. Mostrou que a pessoa mais brilhante, ostentosa e controversa dos charts poderia criar um grande – se não maior – impacto quando toma as rédeas. É claro, todos nós sabemos que 90% do tempo, viver a vida do lado mais suave da arte não é o forte de Gaga. Mas aqui, em Cheek to Cheek com Tony Bennett, Stefani Germanotta arruma um jeito de estabelecer aquele equilíbrio.

Enquanto Tony Bennett está comemorando o 65º ano de sua ilustre carreira musical no jazz, as credenciais de Lady Gaga neste campo equivalem a uma vitória numa competição de jazz do estado de Nova Iorque na sua adolescência. No papel isso pode parecer um carrinho vazio, mas na gravação, Gaga está mais do que preparada para corresponder seu crooning suave de ícone. Assumindo 11 standards, as habituais vozes eletrônicas de Gaga se tornaram assobios suavemente melosos, combinando com o tom rouco de Tony Bennett na faixa-título ‘Cheek to Cheek’ e ‘I Won’t Dance’. Este último faz bom uso das piadas sarcásticas de Gaga; suas interjeições divertidas provocando o charme Rat Pack de Bennett.

Em outro lugar, a enérgica ‘Let’s Face the Music and Dance’ ouve Gaga assumir o glamour vintage de Vegas com seu vocal arrebatador oscilando sobre uma orquestra firme, enquanto a inflexão espessa de Bennett em ‘Sophisticated Lady’ está tão facilmente abundante quanto uma bebida alcoólica de American Honey no clube de jazz de Ronnie Scott. Além do mais, o passeio solo de Gaga em ‘Lush Life’ de Billy Strayhorn é uma performance encorpada, começando com sua leve voz trêmula e acrescentando um vibrato caloroso sobre as ondulações das cordas. É um lembrete da voz de uma estrela formidável, que pode voar livre de sequências de músicas-chiclete.

“Cheek to Cheek” pode não ser o espetáculo brilhante que esperávamos de Lady Gaga, mas com a orientação de Tony Bennett, a dupla entregou um disco de jazz autêntico e sólido que respeita a história generosa do gênero. Lady Gaga pode ter suavizado a escala de sua performance para a gravação, mas sua voz e paixão pelo jazz faz um tremendo trabalho de tomar o centro do palco.

Tradução por João Marcos

Comentários

  • Leandro Casimiro

    O pop sentirá falta. Mas apenas por um tempo e Lady Gaga retornará brilhante e com a imagem restaurada depois desse novo disco com o Tony Bennett, o lindo e cativando Cheek To Cheek, ou face a face em tradução livre. BOA NOITE meus anjinhos e VIVA O JAZZ, VIVA A MÚSICA, VIVA O TALENTO. VIVA BANG BANNG!

  • Leandro Casimiro

    Falando nela, temos agora uma Gaga pop e quem disser que ela seguiu esse caminho por causa do que aconteceu no seu disco anterior está muito enganado, ela já tinha isso em mente muito tempo antes. Durante Born This Way (seu disco de sucesso dedicado aos fãs), então não foi uma medida desesperada pra sair do flop, foi uma forma planejada há muito tempo de mostrar uma Gaga que só seus f~s conheciam agora o mundo reconhece. Linda Voz, Personalidade Forte.