Veja o que a imprensa americana está falando sobre show de Lady Gaga no Super Bowl

Hiago Rodrigues em 6.2.2017 ás 8:30     1 Comentário

Lady Gaga apresentou um show de hits no Super Bowl, no domingo (5/2), e certamente teve a aclamação dos little monsters – mais satisfeitos, impossível. A mídia americana também enalteceu a apresentação da popstar, que, se pode dizer, fez um retorno e tanto ao seu patamar na cultura pop. As únicas críticas são por não ter usado o momento para fazer uma declaração política mais assertiva. Confira o que os veículos dos Estados Unidos estão comentando:

Time:
“O show do intervalo do Super Bowl de Lady Gaga ficou entre os melhores da história, passando ambiciosamente por toda a carreira da artista e colocando à frente as qualidades da mesma. Foi ao mesmo tempo profundamente emocionante e um pouco irônico, com tantas coisas acontecendo que a câmera nem sabia para onde olhar. Foi a artista como um todo – talvez a mais pura expressão do que os fãs de Gaga gostam nela”.

Billboard:
“Se houve alguma decepção com o desempenho de Gaga não foi com o show ou a setlist, que deve se tornar uma das melhores deste século, e com razão – mas com o fato de que ela não tentou nada particularmente escandaloso. Talvez fosse demais pedir uma declaração política legítima – não, começar o show com ‘God Bless America’ e ‘Thi Land Is Your Land’ não conta (…) Ainda assim, a performance de Gaga deve ser lembrada como a melhor demonstração do porque seu legado musical deve permanecer essencialmente inabalável”.

The Hollywood Reporter:
“Lady Gaga fez provavelmente a coisa mais política que poderia: passou 15 minutos sendo Lady Gaga. Ela apareceu e fez um set de músicas de entretenimento que foi simultaneamente confrontador e envolvente como sua música sempre é: quando você canta ‘Born This Way’ em um evento com Mike Pence na plateia, a mensagem é inescapável. Mas também uma setlist que tratou e reconheceu o evento que ela estava se apresentando como exagerado, divertido e sincero”.

NY Times:
“Com ‘Born This Way’, foi sem dúvida a primeira vez que a palavra ‘transgênero’ foi cantada em um show no Super Bowl. (…) Lady Gaga orgulhosamente apresentou-se como a continuação de gerações de showbiz música-e-dança – uma tradição de esforço fervoroso e um espetáculo bem ensaiado, apresentado com alegria”.

Deadline:
“Cercada por dúzias de drones, dançarinos e um atraso de cinco segundos, o show de hits de Lady Gaga na Fox foi mais convencional do que controverso”.

LA Times:
“Lady Gaga perdeu a chance de dizer algo profundo no Super Bowl. Talvez Tony Bennett devesse ter aparecido, no fim das contas. (…) Mesmo em ‘Born This Way’, pareceu uma oportunidade perdida para participar do debate sobre quem pertence a esse país legitimamente. Este era o momento de dizer algo profundo (ou ao menos amplo) sobre a aceitação americana, mas ela passou, aparentemente ansiosa, para a infinitamente leve ‘Just Dance’”

via: POPLine